About me

Minha foto
Escrever é tentar retratar nossos sentimentos, com menos perdas de que quando o falamos, é desenhar por meio de palavras o combústivel que regulariza e impulsiona o nosso coração de forma precisa e necessrária. IG
Feeds RSS
Feeds RSS

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

A despedida...




Eu já sabia que aquela situação já não era mais possível, mas ainda assim não deixei de aproveitar,mesmo que no sonho, minha segunda chance como uma criança que acaba de roubar da prateleira o último doce que resta e se esconde atrás do armário para desfrutá-lo sem que ninguém a importune. Foi assim que me senti quando você sorrindo me estendeu a mão, o salão que se encontrava cheio, automaticamente esvaziou-se, éramos só nós, a música e as luzes, por um minuto quase hesitei mas sabia que logo me arrependeria.

- Você sabe que eu não sei dançar assim e que eu não vou conseguir! Disse levantando-me e seguindo em sua direção.
-Vai sim!
-Mas nem sei onde por as mãos.
-Uma eu seguro e a outra você Poe no meu ombro, não vai querer por na minha cintura não é? E deixa que te conduzo. Disse com um misto de graça, ironia e segurança.
- Ta! Mas não me rodopia. Pedi-lhe sabendo que de nada valeria.
E foi só arriscarmos alguns passos para ele me rodopiar  eu ficar mais perdida que tudo. Mas eu já não me importava com nada, éramos só nós, a música, o rodopio e minhas gargalhadas. Era nosso momento de despedida, mas somente você sabia, eu me divertia como num dia comum.
- Ahhh! Assim não vale você sabe que não sei dançar, muito menos essa parte que tem que tem de rodopiar.
- Sei que você não sabe e é por isso mesmo que te chamo pra dançar.
- É eu sei que é mesmo, vou te matar.
E quando a música foi terminando, as pessoas foram reaparecendo, por um momento quase fiquei com vergonha quando me disseram: -“ você tava com a mão no peito dele”. Verdade ou não, não foi por maldade, eu nem vi as minhas mãos, nem ninguém, achava que éramos só eu, ele e as gargalhadas. Agora sou eu sozinha e  a saudade... e não é drama, é pura verdade, eu to falando de amizade interrompida. Nesse exato momento ele não lembra mas de mim, sabe nem quem sou, não reconhece ninguém de sua realidade, ta na ala de terapia intensiva em coma. Consegue nem nos ouvir, parece que foi algo grave... No fundo eu até aposto na sua recuperação, ele me jurou que lutaria por isso mas temo que fique encantado na ilusão de liberdade que o coma provoca, enquanto isso continuarei a observa-lo pelo vidro da ala de terapia intensiva.

6 comentários:

Ewerton[Thon] disse...

Texto comovente.
Foi um momento lindo que você viveu, com certeza marcou muito né?
Talvez ele esteja inconsciente, mas tenho certeza que ele abrirá os olhos e reconhecerá o brilho do seu olhar.
Muita força!

Adriana Araújo. disse...

muito comovente mesmo ! ;]
adooorei !

Nando! disse...

COncordo com todos!

Bastante comovente!

mto bom!

Pâm Ferreira disse...

Muito fofo e triste. Adorei. E seu blog está lindo ^^

Suzana disse...

Nossa, mto intenso!
Triste mesmo, mas na vida existe momentos como esse!! Temos que saber seguir em frente!
Lindo blog!
Passa la no meu !
http://suzanaaferreira.blogspot.com/

Calcanhar de Aquiles disse...

"A hora do encontro é também despedida a plataforma desta estação, é a vida."

Comovente postagem.
Abração amigo.

Postar um comentário